Skip to content

Hierarquia e Disciplina

06/06/2011

As forças armadas e as auxiliares são fundadas sobre os alicerces da hierarquia e disciplina. E é assim porque não pode ser diferente. Na hora da urgência não pode haver dúvidas, discussões sobre a ação a ser tomada. Deve se cumprir as ordens da maneira melhor possível.

Possuir hierarquia superior não significa deter a liderança. Esta deve ser conquistada. Quanto melhor o líder, melhor e mais responsiva será a tropa sob seu comando. Um líder fraco trará resultados ruins e perderá o respeito da tropa, ainda que seja obedecido. E dentro do sistema, acredita-se que os demais superiores perceberão isso e farão as mudanças necessárias. Se não o fizerem, gradualmente a tropa tomará as rédeas do seu superior direto. Porém, isso ocorrerá de uma forma velada.

O regulamento militar é severo e rígido. Não comporta interpretações. Vale o que está escrito. Tanto que se diz meio militar, jocosamente, que este tem três respostas a dar: “Sim, senhor”; “Não, senhor”; e “Tô de saco cheio. Quero ir embora”. E lembre-se que aqueles que cumprem o serviço militar obrigatório não têm a terceira opção.

Por mais que se compadeça da situação de penúria dos bombeiros militares do Rio de Janeiro, aqueles que invadiram o quartel central da corporação cometeram o crime militar de motim.

O problema é como se chegou a isto. O salário do soldado está em torno de R$950,00. Qualquer trabalhador honesto teria imensa dificuldades em se manter em dia com suas obrigações financeiras e dar a sua família moradia, alimentação, educação e saúde adequadas. Isso para ficar no básico. E como, então, pedir que uma pessoa arrisque-se todos os dias para socorrer outras? Por isso, antes de qualquer coisa, ser bombeiro é vocação.

Ainda que diga que o corpo de bombeiros nunca recebeu tanto apoio do Estado na história do Rio de Janeiro, o governador Sérgio Cabral não tem feito o suficiente. Todo trabalhador, em especial o servidor público, deseja duas coisas: boas condições de trabalho e bom salário. E o segundo item, sem dúvida, é o mais importante. O primeiro frustra, o segundo desestimula por completo e leva a problemas mais graves do que um serviço mal executado por falta de recursos.

Há tempos, os bombeiros vêm tentando negociar sua condição salarial, e a negligência do governo em, ao menos, comprometer-se a um atendimento mínimo desse pleito, levou ao motim. Contra este, o governador utilizou a força policial militar. Todavia, não é garantido que sempre a polícia estará ao lado do governo, pois esta também tem suas aspirações tanto salariais quanto por melhores condições.

Que os 439 bombeiros amotinados respondam pelo crime militar, mas que eles o façam em liberdade. Não se pode mantê-los presos ao custo do risco de se perder vidas por um atendimento comprometido. Enquanto essa situação perdurar, a mera troca de comando será insuficiente para restaurar a normalidade.

O governo não deve apenas negociar. Deve comprometer-se com o aumento salarial. A situação como está é insustentável. Para todos os lados.

“Liderança é compreender as pessoas e envolvê-las para ajudar você a fazer um trabalho. Isso precisa de todas as boas qualidades, como integridade, dedicação a um propósito, abnegação, conhecimento, habilidade, implacabilidade, assim como a determinação de não aceitar o fracasso.”

(Almirante Arleigh Burke, 1901-1996, Marinha dos Estados Unidos.)

Anúncios

From → Direito, Política

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: